sexta-feira, 7 de março de 2014

Eu também tenho um sonho...

"No processo de conquistar nosso legítimo direito, nós não devemos ser culpados de ações de injustiças. Não vamos satisfazer nossa sede de liberdade bebendo da xícara da amargura e do ódio. Nós sempre temos que conduzir nossa luta num alto nível de dignidade e disciplina. Nós não devemos permitir que nosso criativo protesto se degenere em violência física." (Trecho do discurso I have a dream do pastor Martin Luther King em 28 de agosto de 1963.)


Eu também tenho um sonho...

Sonho com o dia em que todos seremos iguais, independente de credo religioso, sexualidade, time de futebol e opinião. Em que as divergências políticas e religiosas no mundo não serão mais causadoras de guerras civis, que matam milhares e milhares de pessoas que nem sequer entendem o porquê de suas vidas serem ceifadas.

Sonho com o dia em que o Estado de um país tratará seus habitantes como cidadãos, oferecendo a cada um condições adequadas de moradia, educação, alimentação, saúde e lazer. Almejo o dia em que a vida valerá mais que um par de tênis, um relógio ou uma carteira com algumas notas de papel; em que o que vai importar é a vida, e isso através do respeito e dignidade ao ser humano.

Sonho com o dia em que as mulheres serão respeitadas como seres humanos que exprimem opiniões, que têm desejos e precisam de ajuda para das conta de tantas responsabilidades diárias; em que terão o direito ao domínio de seu próprio corpo e suas vontades. Sonho com o dia em que as escolhas sexuais de uma pessoa não será motivo de discussão social, não lhe causará dano físico, mental ou psicológico e não o fará ser excluído em sua sociedade.

Eu sonho...mas procuro viver esse sonho a cada dia fazendo tudo que está ao meu alcance, falando sempre que possível e contribuindo para formar novas opiniões sem influências política e religiosa, mas pautada no respeito e no direito à diversidade.

Sonhar é muito fácil, precisamos fazer com que os sonhos se tornem reais, que lutemos pelos direitos de todos e que tentemos levar um pouco de dignidade àqueles que se encontram desacreditados e segregados.

Para que vivamos os sonhos precisamos, na verdade, começar a nos importar...

#ficaadica

Por Priscila Messias
Postar um comentário